Por que “certos” estratos socioeconômicos defendem a Meritocracia como valor moral (?)

Me livrando de Nietzsche

escada

Pierre Bourdieu faz uma distinção entre subjetivismo e objetivismo. Pelo subjetivismo as escolhas das pessoas, seus desejos, ações e escolhas são determinadas pelo próprio sujeito. Por outro lado, não se pode entender os sujeitos apenas como corpos flutuando no espaço. Mas como seres sobre estruturas e fazendo parte desta estrutura. Logo, seus desejos, ações e escolhas são determinados unicamente como resultados desta grande estrutura. Ele procura entender a sociedade como uma interação destes dois conceitos. Nietzsche também fazia o mesmo, mas diferente de Bourdieu, ele tendia para os indivíduos e para resultados não determinísticos. Logo, as escolhas, ações, desejos são determinados tanto pela estrutura social, tempo histórico, espacialidade, etc. que o sujeito vive como pelo próprio indivíduo em alguma medida difícil de distinguir.

A meritocracia é definida como:

“Meritocracia (do latim meritum, “mérito” e do sufixo grego antigo κρατία (-cracía), “poder”)[1] é um sistema de gestão que…

Ver o post original 637 mais palavras

Anúncios

Um comentário sobre “Por que “certos” estratos socioeconômicos defendem a Meritocracia como valor moral (?)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s