Descartes brasileiro: trabalhando com filosofia

Entre Nós

René-DescartesTodo professor e todo curso de filosofia que se preze, dá uma aula de Descartes. É obrigatório. Mas é meio que clichê e sempre a mesma coisa: fala-se da passagem da metafísica antiga para o pensamento moderno, do racionalismo, renascimento, da dúvida como método (Descartes duvida de tudo, afim de encontrar a verdade que não tivesse a menor possibilidade de ser passível de dúvida, e seria esta sua base, seu fundamento primeiro) e, por fim, do “penso, logo existo” (conhecido como cogito cartesiano). Além disso é mais uma aula de história do que de filosofia. E pior, uma história evolutiva bem mal contada, na qual o filósofo mais recente é sempre o protagonista e o mais antigo, superado…

E se a gente propusesse diferente? Uma aula de filosofia, mesmo: o exercício de acompanhar e produzir um movimento filosófico?! E se ao invés de falarmos o que Descartes falou, o trabalhássemos enquanto co-autores de sua…

Ver o post original 941 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s