Pra não dizer que não falei das bananas

Mariel Fernandes

planeta

Uga, uga, uga!

Estamos na selva, no meio de um tango argentino, as perguntas são cheias de prudência e as respostas repletas de fitas, embaladas pra presente. Retiram os rins uns dos outros, se enfiam facas de um jeito educado, mas algo é certo: um deles dorme pelado.

Eles sabem números, são bilhões, quanquilhintões, uma facilidade impressionante com cifras, um parentesco fantástico com abreviaturas. O BRDA, o SNDZ, o Índice PLA, o caminho do zen. Se engalfinham sorridentes, uga, uga, uga. Querem ser os reis da floresta, a tribo escolhida, os guias supremos dos macacos sem dentes.

Se acusam, se desculpam, procuram piolhos uns nos outros. Batem as mãos nos peitos, uga, uga, uga. Comem qualquer rango sorrindo, cruzam –seguros, maduros e firmes- pelas portas que não vemos, eles têm as chaves dos portais. E nós, os súditos tropicais de um reino supimpa, gritamos hosanas (na falta do Obama), sonhando…

Ver o post original 83 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s